D E S T A Q U E

CULINÁRIA ÁRABE: UMA VISAO GERAL SOBRE OS PRATOS PRINCIPAIS DE CADA PAÍS

A culinária árabe (em árabe: مطبخ عربي ) é a culinária dos árabes, definida como as várias cozinhas regionais que abrangem o mundo árabe, do...

COMO OS ÁRABES ANTIGOS FALAVAM EM POESIA

 

Uma cena de mercado árabe | Pintura de Franz Xaver Kosler


A poesia define os árabes; Isto não é um exagero. Ao longo dos séculos, o verso e a literatura caracterizaram as principais facetas da cultura árabe, em todos os momentos de suas civilizações tribais e imperiais.

Para os árabes pré-islâmicos, a poesia era um discurso – banal e casual. Como uma civilização oral, eles aperfeiçoaram o diálogo em verso, pesavam suas línguas com beleza sempre que podiam. Para os árabes, “a poesia é ativada na respiração”: não foi feita para ser escrita, mas para ser falada, interpretada, sentida e compreendida por meio da interação.

A Península Arábica era um centro para qasa'id oral (ou seja, longas odes) herdadas através da memória, muitas vezes retratando o deserto, acampamentos abandonados, as linhas tênues da vida e da morte e a experiência beduína. Histórias de amor proibidas, questões de classe e namoro e o desafio contínuo de limites socioculturais eram características desse nicho.



Um poeta árabe era uma figura pública.


Esses contadores de histórias estavam presentes em qualquer evento – ou sem motivo algum. Eles reuniram grandes audiências elaboradamente diversas e recitaram contos igualmente elaborados em métrica. Muitas vezes, os poetas se envolviam em uma batalha de inteligência e poética, improvisando beleza e ostentando realizações enquanto voavam verso por verso um contra o outro.


Pintura deRudolf Ernst



Khaled al-Masri, estudante de doutorado em Literatura Árabe no departamento de Estudos do Oriente Próximo da Universidade de Michigan, observa que “a poesia árabe tem sido uma manifestação indispensável da cultura árabe por mais de 15 séculos. Reflete os desenvolvimentos e conquistas históricas, sociais, políticas, filosóficas e literárias dos árabes.”

Os exemplos são muitos e todos dignos – embora alguns nomes sejam mais infames do que outros. Majnoon Laila ("Laila-Crazed") e Aantar são dois dos poetas e amantes dramáticos mais embelezados da Arábia.


Apresentando a biografia “Aantar Son of Shadad” | Crédito da foto: Middle East Eye


Como um homem negro, Aantar lutou contra a intolerância e o racismo com uma convicção de língua prateada e incandescente. Sua poesia era, por si só, uma manifestação contra o classismo e a escravidão; ele pegou o árabe e o transformou em uma arma, embelezou-o, usou-o para amar a todos e honrar os fortes. Ao pôr do sol de sua história, ele se casa com a mulher que cobiça e conquista o respeito merecido há muito tempo.

Majnoon Laila é o oposto perfeito de Aantar; nascido Quem Ibn al-Mulawwah, dedicou-se a poemas de amor e ghazal e uma garota chamada Laila. Infelizmente para ele, a história de What's termina em tragédia; ele é levado à loucura por seu próprio sentimentalismo, e sua doce sua Laila casou-se com um homem mais velho. Ainda assim, sua paixão não filtrada e incontrolável dele é um dos livros de história – um, até hoje, muitos árabes citam como exemplo de seu próprio amor sem limites.



Biografia de Mahmoud Darwish - Infância, realizações da vida ...


Mahmoud Darwish | Crédito da foto: Os famosos


 

Em meios mais modernos, os árabes politizaram sua poesia e a usaram na busca da nostalgia e do idealismo. O poeta de renome mundial Mahmoud Darwish continua sendo uma inspiração para muitas vozes palestinas que tecem entre o ruído branco e a opressão. Sua presença na esfera pública vem de mãos dadas com sua capacidade de narrar a beleza e usar a linguagem para desmistificar a realidade.

Hoje, isso permanece intimamente fiel às culturas árabes em todo o Oriente Médio. A poeta e ativista palestina Lena Khalaf Tuffaha lembra que a poesia é parte integrante da existência árabe e, na maioria das vezes, desliza para o ativismo.

“A poesia é uma bela forma de arte [e] uma forma de expressão”, explica Tuffaha no podcast The Poet Salon. Em sua experiência, os árabes pós-modernos continuam a tratar a poesia como uma forma de cidadania. Como alguém com uma herança poeticamente inclinada e um pai que sempre se encontrou na linguagem, Tuffaha não pode se separar da poesia.


“É difícil para mim imaginar como não fazer isso”, como não contar uma história em versos.


By Mona Abdou

traduzido Por Criss Freitas para www.universoarabe.com


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!
Todo comentário é lido antes de ser publicado.