D E S T A Q U E

CULINÁRIA ÁRABE: UMA VISAO GERAL SOBRE OS PRATOS PRINCIPAIS DE CADA PAÍS

A culinária árabe (em árabe: مطبخ عربي ) é a culinária dos árabes, definida como as várias cozinhas regionais que abrangem o mundo árabe, do...

Mostrando postagens com marcador ISLAM. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ISLAM. Mostrar todas as postagens

SERIE "OMAR" EM ARABE COM LEGENDA EM PORTUGUES


Omar - assista online todos os episódios


É uma série islâmica que retrata a vida de Umar (RA), o segundo califa do Islã, antes e depois que ele abraça o Islã.
Omar foi lançado pelo grupo MBC em 2012, foi amplamente apreciado pela audiência em todo o mundo,
Tem uma classificação IMDB de 9.2 / 10
A série de Omar é baseada em fatos islâmicos verídicos.

Áudio: Árabe formal
Legenda: Português


 

Criss Freitas www.universoarabe.com 

TAPETES DE ORAÇAO E SUA SIMBOLOGIA

Olá meu povo, como estão todos? Sei que tenho me ausentado, mas as razões são fortes rsrs... tive que mudar de apartamento e ai como todos devem perceber mudança gera bagunça e fiquei sem ver meu computador por alguns longos dias... mas voltei!

Bom, hoje que tratar um pouquinho da nossa parte espiritual, falar um pouquinho sobre uma das coisas mais importantes numa religião: a oração e seus detalhes.

Como vocês já devem saber, eu me converti ou reverti ao Islam em 2011, com certificado emitido pelo cartório de Dubai, nos Emirados ÁRabes Unidos, já que na ocasião eu estava me organizando para me casar então aproveitei e fiz minha "shahada".


Gostaria de falar não muito sobre a oração em si, mas sobre o tapete de oração islâmica, o
سجادة (Sajjāda), pl. سجاجيد (Sajājīd).


Tapetes de Oração Islamica


Um tapete de oração é um pedaço de tecido, às vezes um tapete, usado pelos muçulmanos, colocado entre o chão e o adorador pela limpeza durante os vários atos da oração islâmica . Isso envolve prostração e sentar no chão . Um muçulmano deve executar wudu (ablução, higienização) antes da oração, e deve orar em um lugar limpo. Muitas novas esteiras de oração são fabricadas por tecelões em uma fábrica. O design de uma esteira de oração baseia-se na aldeia de onde veio e seu tecelão.
MIHRAB - lugar da mesquita para onde os oradores devem ficar direcionado
 
Ao orar, um nicho, representando o mihrab de uma mesquita, no topo da esteira, deve ser apontado para o centro islâmico para a oração, cidade de Meca, na Arábia Saudita . Todos os muçulmanos são obrigados a conhecer a qibla ou direção em direção a Meca, de sua casa ou onde estão viajando.

 

Simbologia e Uso



O tapete de oração tem um significado simbólico muito forte e tradicionalmente cuidado de maneira sagrada. É desrespeitoso que alguém coloque um tapete de oração em um local sujo (como os muçulmanos devem estar limpos para mostrar seu respeito a Deus) ou jogá-lo de maneira desrespeitosa. O tapete de oração é tradicionalmente tecido com um design retangular, tipicamente feito de forma assimétrica pelo nicho no topo da cabeça. Dentro do retângulo, geralmente encontramos imagens de símbolos islâmicos e arquitetura . Em algumas culturas, as decorações não só são importantes, mas também têm um profundo senso de valor no design do tapete de oração.


Um tapete de oração é caracterizado por um nicho em uma extremidade, representando o mihrab em cada mesquita, um ponto direcional para direcionar o adorador em direção a Meca . Muitos tapetes também mostram uma ou mais lâmpadas de mesquita, uma referência ao verso da Luz no Alcorão . As mesquitas específicas são às vezes mostradas; Alguns dos exemplos mais populares incluem as mesquitas em Meca, Medina e especialmente Jerusalém. 

Mesquita de Madina, Arabia Saudita, cidade do profeta Muhammad (PBUH)

As decorações não só desempenham um papel na imagem, mas servem o adorador como auxílio à memória. Alguns dos exemplos incluem um pente e jarro, que é um lembrete para os muçulmanos lavar as mãos e para os homens pentear os cabelos antes de realizar a oração. Outro uso importante para as decorações é ajudar os muçulmanos recentemente convertidos, costurando as mãos decorativas no tapete de oração onde as mãos devem ser colocadas ao realizar a oração. 

Os tapetes de oração costumam ser feitos nas cidades ou nas aldeias das comunidades que os utilizam e são frequentemente nomeados após as origens daqueles que os tratam e colecionam. O padrão exato variará muito por tecelãs originais e os diferentes materiais utilizados. Alguns podem ter padrões, corantes e materiais tradicionais / nativos da região em que foram feitos. Os padrões dos tapetes de oração geralmente têm um nicho no topo, que é virado para enfrentar a Meca. Durante a oração, o suplicante ajoelha-se na base do tapete e coloca suas mãos em ambos os lados do nicho no topo do tapete, sua testa tocando no nicho. Os tamanhos típicos de tapete de oração são de aproximadamente 2,5 pés × 4 pés (0,76 m × 1,22 m) - 4 pés x 6 pés (1,2 m × 1,8 m), o suficiente para se ajoelhar acima da franja em uma extremidade e dobrar para baixo e colocar a cabeça no de outros.

Tapete com árvore da vida, pássaros, plantas, flores e vasos
 
Alguns países produzem têxteis com padrões de tapete de oração para exportação. Muitos tapetes de oração modernos são peças estritamente comerciais feitas em grande número para vender em um mercado internacional ou comércio turístico.
Atualmente existem muitos tapetes de oração que foram atendidos há mais de 100 anos.  Na maioria dos casos, eles foram imediatamente e cuidadosamente rolado após cada oração


O milagre transilvano: tapetes islâmicos nas igrejas protestantes

As igrejas luteranas saxãs, os armazéns paroquiais e os museus da Transilvânia salvaguardam cerca de quatrocentos tapetes da Anatólia, que datam do final do século XV até meados do século XVIII. Eles formam o corpus mais rico e melhor preservado de tapetes de formato de oração do período otomano fora da Turquia.
Sem tentar um currículo da história complexa da região, a Transilvânia (como os outros principados romenos da Moldávia e da Valáquia) nunca passou por uma ocupação turca direta. Até 1699 tinha o estatuto de principado autônomo, mantendo a religião cristã e a própria administração, mas homenageando a Porta Otomana. Em contraste, seguindo a Batalha de Mohacs em 1526, parte da Hungria foi designada Pashalik e ocupava a ocupação turca há mais de um século e meio.
Os tapetes chegaram à propriedade das Igrejas Reformadas, principalmente como doações piedosas de paroquianos, benfeitores ou guildas. No século 16, com a chegada da Reforma, o número de imagens figurativas dentro das igrejas foi drasticamente reduzido à medida que as pessoas seguiram com diligência os dez mandamentos: "Você não deve fazer para você uma imagem esculpida ... você não deve curvar-se para eles ou servi-los ". Os frescos foram lavados a branco ou destruídos, e os muitos sumptuosos retalhos alados foram removidos mantendo exclusivamente o altar principal. Os paroquianos recentemente convertidos perceberam assim a igreja como um espaço grande, frio e vazio que precisava de aquecimento e um toque acolhedor. Os rastros da decoração mural foram encontrados durante as restaurações modernas em algumas Igrejas Protestantes como, por exemplo, em Malâncrav.
Nessa situação, os tapetes orientais, criados em um mundo espiritualmente diferente do cristianismo, encontraram seu lugar nas igrejas reformadas que se tornariam seus principais guardiões. A remoção do circuito comercial e o fato de serem usados ​​para decorar as paredes, os bancos e as varandas, mas não no chão, foram cruciais para sua conservação ao longo dos anos. Isso é único e extraordinário se considerarmos que o Império Otomano dominou fortemente a região naquele momento. Este fato confirma não só a tolerância religiosa tradicional dos transilvanos, mas também a capacidade dos tapetes orientais para unir diferentes culturas.




****

Era isso, espero que tenham gostado e que sirva para enriquecer seu conhecimento ainda mais. Até breve.
 Cris Freitas - nos Emirados ARabes Unidos


COMO DAR OS PÊSAMES (CONDOLENCIAS) EM ÁRABE





تعزية - /taezia/ - Condolência


A Língua Árabe é muito rica em expressões, muitas vezes para uma mesma coisa temos várias palavras, ou frase.

Para mostrarmos condolências em um funeral não é diferente. Existem frases islâmicas e frases que podem servir tanto para muçulmanos quanto para não-muçulmanos.

O importante nessa hora é que você mostre sentimento e respeito à família do(a) falecido(a).


Para muçulmanos a mais usada é um verso do Alcorão que significa: "De Deus viemos e para Ele retornamos ".

pronuncia-se assim: innaa lillaahi wa innaa ilayhi raaji’oon. نا لله وانا اليه راجعون) 


O seguinte pode funcionar para muçulmanos ou não muçulmanos:Rahmatullaah a'layhi- (رحمة الله عليه) - Que Deus tenha piedade dele.
 Allah yerhamo/yerhamha - الله يرحمه \يرحمها Deus descanse sua alma.


 البقاء لله (Al bakaa lelaah), o que significa: Deus é o único que fica.
 

عظم الله اجرك atham Allah ajrak -
A grandeza de Deus é sua recompensa
 
ربي يتقبله في رحمته الواسعه Raby yataqabalhu fe rahmathe al wase’ah 
-
Meu Senhor o aceita em Sua piedade misericordiosa.


Talvez isso seja para pessoas em geral:
'Afwan likhasaaratik- (عفوا لخسارتك)
- Meus pêsames



 ******
 Que Deus tenha piedade de nós e nos livre de todo mal, amém!
 Cris Freitas


REVOLTA DOS MALÊS - OS ESCRAVOS MUÇULMANOS DA BAHIA



A revoltta da Bahia Muçulmana (Revolta dos Males)





Desde o ano de 1500 através de 1800, os países europeus estavam envolvidos em uma prática trágica e bárbara conhecida como o tráfico de escravos. Durante este período, mais de 12 milhões de africanos foram abordados em navios e levados para a América do Sul e Norte para trabalhar como escravos. O legado deste tratamento desumano vive hoje, sob a forma de racismo e de desvantagem econômica para os negros nas Américas, e desunião e da guerra na África. Um aspecto da escravidão que tem sido negligenciado nos estudos históricos é o impacto das revoltas de escravos. Escusado será dizer que os escravos africanos não iriam voluntariamente para suas novas vidas. Em muitos casos, eles lutaram contra seus mestres, recusando-se a aceitar a vida que tinha sido dada.
Um dos mais notáveis ​​(e bem sucedida) dessas rebeliões foi a Revolta da Bahia, que teve lugar em 1835 no Brasil. Esta revolta, ao contrário de algumas outras, foi planejada e conduzida inteiramente por muçulmanos. A história de como eles foram capazes de planejar uma revolta em tais condições horríveis e ter um impacto tão grande é notável. O fator mais interessante e definição da revolta foi seu caráter islâmico.


Antecedentes


O Brasil foi originalmente uma colônia Portuguêsa,-se até 1822, quando ganhou sua independência. Independentemente do governo, no entanto, o comércio de escravos passou desde os primeiros assentamentos portugueses até o final do 1800. No estado oriental da Bahia, os escravos representavam cerca de um terço da força de trabalho. Compreender a origem desses escravos é muito importante para a compreensão de como a revolta foi tão bem sucedida. A maioria dos escravos vieram tanto de Senegâmbia (na costa ocidental da África), ou a partir do Golfo do Benim (atual Benin, Togo e Nigéria).
Os escravos dessas áreas foram quase inteiramente muçulmanos. Os Wolofs e Mandinkas pessoas de Senegâmbia eram inteiramente muçulmanos pelos anos 1400 e eram muito instruídos em questões islâmicas, com muitos estudiosos entre eles. O povo Yorubá, Nupe e Hausa de Benin também foram inteiramente muçulmanos desde pelo menos o ano de 1500.


A localização da revolta, Salvador, no Brasil



Quando esses escravos muçulmanos chegaram ao Brasil, levaram consigo as suas crenças religiosas, com a maioria que recusava a apresentação ao catolicismo com seus mestres portugueses e brasileiros. Mesmo como escravos conseguiram exercer uma comunidade islâmica com imãs (acadêmicos), mesquitas, escolas e oração comunitária. Na capital da Bahia, Salvador, onde a revolta teria lugar, mais de 20 mesquitas diferentes existia, que foram sendo construídas por ambos os escravos muçulmanos, e libertos (ex-escravos que conseguiram obter a liberdade).

Organizando a Revolta


Em 1814 e 1816, os muçulmanos da Bahia tentaram organizar uma revolta contra o Português. Eles queriam derrubar a aplicação da lei local, livres todos os escravos, e comandar navios de volta à África. Infelizmente, alguns escravos estavam servindo como informantes para a polícia local, ea revolta foi esmagada antes mesmo de começar, com os seus líderes sendo mortos. Ao longo dos próximos 20 anos, menores revoltas intermitentes por muçulmanos e não-muçulmanos foram recebidas com nenhum sucesso em trazer a liberdade aos escravos da Bahia.
Antes de discutir a revolta em 1835, devemos entender o fator unificador do Islam desempenhado na organização dos escravos. O Wolof, Mandinka, Hausa, Nupe e Yorubá todos falavam línguas diferentes. Enquanto algumas pessoas têm idéias ignorantes sobre a África ser uma entidade monolítica, é um continente diverso de pessoas diferentes, culturas e nações. Esses escravos muçulmanos no Bahia eram tão diversos como um grupo de falantes de francês, alemão, russo e grego. Apesar de suas diferenças étnicas, o fator unificador entre todos eles foi o Islam. O Islam forneceu-lhes uma linguagem comum para falar (em árabe), os costumes comuns, hábitos alimentares e comportamentos. Os muçulmanos da Bahia seriam muito mais ligados a outros muçulmanos de etnia diferente do que os não-muçulmanos que falavam a mesma língua que eles. Ao longo da história islâmica, a unidade, levou a uma maior força e solidariedade.


escravos muçulmanos em Bahia, Brasil



As revoltas fracassadas de 1814 e 1816 forçaram os muçulmanos da Bahia a se esconder. expressões exteriores do Islã foram reprimidos pelas autoridades. Apesar disso, ao longo dos anos 1820 e 1830, os líderes e estudiosos muçulmanos focaram muito em converter outros africanos (sejam eles católicos ou animista) ao Islã. Até mesmo as autoridades brasileiras notaram um aumento no número de pessoas que praticavam o Islã, mas não prestaram muita atenção.
As pessoas que organizaram a revolta eram estudiosos exclusivamente muçulmanos. Devido à força da comunidade muçulmana, eles foram bem respeitados pelo povo e mantido em uma posição de honra e estima. Entre esses líderes eram homens, tais como:
  • Shaykh Dandara - um liberto rico que era um imã
  • Shaykh Sanim - um escravo idosos que estabeleceu uma escola para ensinar as pessoas sobre o Islã.
  • Malam Bubakar Ahuna - o estudioso líder em toda a Bahia, que organizou eventos da comunidade muçulmana

Estes estudiosos muçulmanos, assim como muitos outros, usaram as mesquitas como uma base de operações. Lá eles discutiram planos para a revolta, armazenando armas, e educando os africanos locais. Foi através dessas mesquitas que Malam Bubakar distribuiu seu chamado a jihad (guerra santa, ou resistência militar). Ele escreveu um documento em árabe, que pediu aos muçulmanos para unificar-se em preparação para a vinda revolta contra seus mestres brasileiros.


A Revolta

As autoridades receberam algumas informações que uma rebelião estava se formando, assim que tomou medidas pró-ativas e exilado Malam Bubakar 6 meses antes da revolta foi agendada. Apesar disso, os planos para a revolta já foram finalizados e distribuídos para os muçulmanos em toda Bahia.

Uma cópia de Surat al-Qadr do Alcorão. Ele pertencia a um dos escravos muçulmanos revoltantes da Bahia e é escrito em um estilo Oeste Africano tradicional árabe.

A revolta iria acontecer após a oração do Fajr (amanhecer) em 25 de janeiro de 1835, que foi o dia 27 de Ramadan, 1250 no calendário muçulmano. Alguns muçulmanos consideram o dia 27 como a data mais provável para Laylat al-Qadr, a Noite do Poder, quando o Alcorão foi revelado ao Profeta Muhammad ﷺ. Os muçulmanos da Bahia escolheram esta data na esperança de que o estado espiritual elevado da comunidade oferecesse maiores chances de sucesso.
Devido ao enorme tamanho da revolta planejada, a palavra foi obrigada a chegar a polícia Bahia sobre a revolta. Na noite antes da revolta programada para ocorrer, eles invadiram uma das mesquitas locais e encontraram os muçulmanos armados com espadas e outras armas. A luta que se seguiu levou à morte de um oficial. Assim, a revolta tinha que começar cedo.
Embora algumas horas mais cedo, os revolucionários muçulmanos desta mesquita sairam da mesquita, prontos para começar a revolta na calada da noite. Eles estavam vestidos de branco longo  thobes (túnicas) e kufis  (solidéu) que claramente identificava-os como muçulmanos. Porque a revolta estava programada para começar ao amanhecer, nem todas as mesquitas sairam em revolta, ao mesmo tempo. Independentemente disso, os que se iniciaram na revolta em torno da meia-noite marcharam pelas ruas de Salvador, reunindo outros escravos (tanto muçulmanos e não-muçulmanos) para se juntar a eles na sua revolta. O resto das mesquitas, mesmo unidas, havia cerca de 300 escravos e libertos marchando através da cidade.
Eventualmente, o governador da Bahia conseguiu mobilizar as forças armadas locais para enfrentar os rebeldes. As poucas centenas de africanos agora reuniram mais de 1.000 soldados profissionais com armamento avançado nas ruas de Salvador. A batalha durou cerca de uma hora, e levou à morte de mais de 100 africanos e 14 soldados brasileiros. As autoridades brasileiras claramente venceram a batalha. A revolta nunca conseguiu derrubar o governo local, nem a bordo de navios voltaram para a África. Parecia ser uma falha.

Resultado

Os líderes da revolta, os estudiosos muçulmanos, foram levados a julgamento e mortos. Os numerosos escravos que participaram na revolta foram dadas punições que variam de prisão à amarrações. Embora na superfície da revolta parece haver uma falha, não há mais do que isso.
Após a revolta, um medo geral de africanos, particularmente os muçulmanos, tomou conta do povo do Brasil. O governo brasileiro aprovou leis que levaram a uma deportação em massa de africanos de volta para a África. Um dos objetivos originais da Revolta da Bahia era para serem devolvidos para a África, de modo que isto pode ser visto como uma vitória parcial para a rebelião.
Mais importante, no entanto, a Revolta da Bahia estimulou o movimento anti-escravidão em todo o Brasil. Embora a escravidão continuasse a existir no Brasil até 1888, a revolta começou a discussão pública sobre o papel dos escravos eo benefício ou prejuízo que eles forneciam para a sociedade brasileira. Isto é visto como um dos eventos mais importantes que conduziu para a liberdade para os escravos brasileiros.
É importante notar que o fator determinante único para a Revolta da Bahia foi seu caráter islâmico. Foi organizada e liderada por estudiosos muçulmanos, planejadas em mesquitas muçulmanas, e apoiado por uma população Africano de maioria muçulmana. Sem o Islam como um fator unificador, tal revolta nunca teria sido possível, nem que o efeito que teve ter sido tão grande.
Além disso, o Islam continuou com força no Brasil há décadas. A reação violenta do Brasil para oprimir Islam no rescaldo da revolta não fez nada para acabar com o Islam. Estima-se que em 1910, havia ainda mais de 100.000 muçulmanos em todo o Brasil. Esta é uma prova da força da comunidade muçulmana do Brasil e sua dedicação ao Islam.
Qualquer discussão sobre a história do Islam no Hemisfério Ocidental deve incluir as ações heróicas destes muçulmanos. O Islam não é uma religião nova no Norte e Sul das Américas, trazido por imigrantes recentes do Oriente Médio e Sul da Ásia, como muitos tendem a acreditar. Pelo contrário, é uma religião que influenciou muito o curso da história da América do Sul e Norte no passado, e continuará a fazê-lo no futuro.

Bibliografia:
Shareef, Muhammad. O islâmica Slave revoltas da Bahia, Brasil . Pittsburg: Sankore Institute, 1998. impressão ..

Para saber mais detalhes do assunto pesquise por "A Revolta dos Males"

 

 

 Quem diria, o Brasil impermeado de história islâmica e ninguém sabendo disso, tudo encoberto e negligenciado pela falta de estudo e informação de uma nação. O que poucos sabem, muitos continuam na ignorância.


maa salama

Cris Freitas



PRIMEIROS MUÇULMANOS NO BRASIL



Estou repostando um relado feito 2002 que achei interessante para pesquisas acadêmicas.



HISTÓRIA DA PRESENÇA ISLÂMICA NO BRASIL
- um breve relato -
Sheikh Muhammad Ragip al-Jerrahi*
Palestra para o Congresso "El Islam em las dos Orillas" – Sevilha 2003


Escravos do café no Vale do Paraíba

Embora a história oficial registre que a chegada dos portugueses ao Brasil foi em 22 de abril de 1500, com a expedição de Pedro Álvares Cabral, trabalho de revisão histórica têm apontado vários indícios de presença anteriores. Como exemplo, verifica-se que as negociações para estabelecimento do Tratado de Tordesilhas, que dividiu as novas terras entre Portugal e Espanha, em 1494, não poderiam avançar se não houvessem informações sobre a distribuição das terras do novo continente no hemisfério sul. Também há indícios da chegada ao Brasil, já em 1498, de uma caravela comandada pelo navegador Duarte Pacheco Pereira. 

Pedro Álvares Cabral foi acompanhado em sua expedição de 1.500 pelos muçulmanos Chuhabidin Bin Májid e o navegador Mussa Bin Sáte. Com o início da colonização, muçulmanos portugueses e espanhóis, embora em número reduzido, também vieram ao Brasil, mantendo suas práticas e tradições. Sua presença é denunciada já no final do século XVI, com a chegada da Inquisição. Processos e relatos do Santo Ofício referem-se à presença destes muçulmanos, descrevendo suas práticas e costumes. Como referência tem-se: Primeiras Visitações do Santo Officio às Partes do Brasil - Denunciações de Pernambuco, 1593 - 1595, do Visitador Heitor Furtado de Mendonça, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório da Inquisição, Códice nº 130, com edição especial do editor Paulo Prado, série Eduardo Prado, São Paulo, 1929.
 
A Inquisição atuou forçando a conversão dos muçulmanos ao cristianismo bem como a mudança de nomes. Os tribunais inquisitores puniam com a pena de morte os praticantes  de cultos considerados heréticos e os que se recusavam a aceitar a nova ordem. Como resultado poucos registros restaram da presença destes muçulmanos na fase inicial da colonização.

O maior contingente de muçulmanos que chegaram ao Brasil foram os escravos negros, a partir do início do tráfico de escravos em meados do século XVI.

A expansão do Islam, à partir do século VII, alcançou a África, de tal sorte que, antes do ano 1.500, o Islam já havia se expandido por pelo menos dois terços do continente africano. Este processo levou a uma intensa utilização do árabe como idioma comercial e cultural. Importantes civilizações muçulmanas se desenvolveram, abrangendo as mais diversas etnias do continente.

Através do tráfico de escravos estima-se que de 3 a 4 milhões de negros foram trazidos da África ao Brasil. O processo de escravização atingiu indivíduos educados, alfabetizados, muitos com experiência administrativa, comercial ou militar, outros de origens aristocráticas. Desta forma, os muçulmanos entre eles, trouxeram consigo as tradições, o conhecimento, o modo de vida e os anseios de liberdade inerentes à religião.

Chegando ao Brasil, como escravos, afastados dos centros e escolas islâmicas, a falta de liberdade e as imposições dos senhores de escravos foram fatores que levaram a prática religiosa a uma situação crítica. Em um esforço para manutenção das tradições, procuraram, ainda que de forma secreta, organizar processos de educação. Mesmo enfrentando as dificuldades de comunicação e os controles dos proprietários de escravos promoviam a alfabetização e a recuperação do texto do Sagrado Alcorão e de hadiths (tradições do Profeta - saws), a partir do registro do que estava memorizado.

A resistência à escravidão já se manifestou desde o início do tráfico, em meados do século XVI. Os escravos escapavam de seus senhores e formavam comunidades de fugitivos que se protegiam mutuamente. O governo português denominava como quilombo qualquer agrupamento com mais de seis escravos fugitivos. O primeiro quilombo de que se tem registro surgiu na Bahia em 1.575.

Os anseios de liberdade e a capacidade intelectual e administrativa dos escravos muçulmanos foram elementos muito importantes no fomento e organização destas comunidades. A partir do ano de 1.600 inicia-se a formação de um enorme quilombo, o Quilombo dos Palmares, que, formado por escravos fugitivos das fazendas e dos engenhos, chegou a reunir mais de 20 mil habitantes. Há documentos que registram o papel e importância dos muçulmanos na estruturação dos quilombos, como por exemplo a de um certo Karim Ibn Ali Saifudin, considerado o construtor das fortificações do Quilombo dos Palmares.

No Quilombo, organizou-se um governo, com rigorosas leis punindo com a pena de morte furtos, roubos, adultério, assassinatos e deserção no âmbito da comunidade. Com a consolidação desenvolveram a agricultura e mantiveram relações comerciais com povoados vizinhos. Composto por negros de diversas origens étnicas e culturais, não houve imposições ou predominância de qualquer das culturas, uma vez que o ideal de liberdade e as necessidades de manter a segurança da comunidade sobrepujaram as diferenças. Desta forma, tudo que era motivo para divisão era descartado. Houve misturas de idiomas e sincretismo religioso, inclusive assimilando do cristianismo aquilo que convinha e era aceitável. Em certo sentido, o Quilombo os Palmares pode ser considerado como o primeiro governo livre do continente americano, uma vez que, embora não reconhecido, constituiu um estado organizado que não se submeteu à coroa portuguesa.
 
Assediado e sofrendo diversos ataques organizados pelo governo português acabou sucumbindo por volta de 1.695, sendo totalmente destruído.

Após Palmares, milhares de quilombos surgiram e se espalharam pelo país nos séculos que se seguiram, embora sem atingir, ou sequer se aproximar, das mesmas proporções e nível de organização.

A continuidade do tráfico negreiro fez com que, a partir dos séculos XVIII e XIX, em que houve expressiva representatividade de pessoas oriundas do Sudão Central, chegassem ao Brasil novas levas de muçulmanos, alfabetizados e instruídos.

O negros muçulmanos sudaneses são assim descritos pelo autor Arthur Ramos em sua obra "Introdução à Antropologia Brasileira"
 
"Eram altos, robustos, fortes e trabalhadores. Usavam como os outros negros muçulmanos, um pequeno cavanhaque, de vida regular e austera, não se misturavam com os outros escravos."

Eram denominados "malês", que significa professores, educadores em árabe. Organizaram a recuperação da religião islâmica entre os escravos, a partir dos registros em memória do Sagrado Alcorão e das tradições do Profeta Muhammad (saws). Promoveram, ainda que de forma secreta, atividades de alfabetização e memorização do texto sagrado. Mesmo enfrentando oposição e perseguição do proprietários de escravos, escreviam panfletos, se comunicavam em árabe, e se organizavam constituindo conselheiros e juizes em suas comunidades.

Alguns conseguiram a alforria, por aprenderem um ofício, como por exemplo a carpintaria, ou por outro motivo. Entre os que conseguiram a liberdade alguns viajaram à África,  buscando restabelecer o contato com os centros islâmicos em seus países de origem. Não há documentação extensa sobre estas atividades uma vez que devido à repressão tudo era feito em sigilo. Mesmo assim restaram registros e indícios que sustentam a tese de que a alguma comunicação foi em parte estabelecida. Como exemplo pode-se citar, tendo como referência pesquisa de Paul E. Lovejoy: "Abd- al Rahman al-Baghdadi al-Dimashqi foi para o Rio de Janeiro em 1865 e travou conhecimento com muçulmanos clandestinos vivendo lá, ficou dois anos para instruir muçulmanos locais nos rituais e normas do Islam."

Os malês foram os grandes promotores das revoltas e movimentos de libertação. Instruídos, com capacidade de organização, e motivados pelos ideais islâmicos de liberdade e resistência à tirania, mobilizaram seus pares em diversas revoltas. O início do século XIX foi marcado por uma seqüência de revoltas denunciando o clima de tensão crescente e o inconformismo com a situação de escravidão. As principais ocorreram nos seguintes meses e anos: maio de 1807; 4 de janeiro de 1809;  fevereiro de 1810;  fevereiro de 1814; janeiro e fevereiro de 1816,; junho e julho de 1822; agosto e dezembro de 1826, abril de 1827; março de 1828; abril de 1830.

Em 25 de janeiro de 1835 estoura uma revolta de grandes proporções que passou a ser conhecida na história como "Guerra dos Malês".  Os revoltosos  percorreram as ruas da capital da Bahia, atacaram o palácio do Presidente da província, invadiram quartéis, enfrentaram tropas e fragatas de guerra ancoradas no porto. Foram totalmente subjulgados pelas forças do governo.

A partir da revolta dos malês a religião islâmica passou a sofrer uma severa repressão. Foi taxada como religião selvagem que incitava a revolta nos negros escravos, então considerados seres sem alma humana. Para a mentalidade da época, não havia que se pensar, para seres sem alma, em direito à liberdade, à justiça, à vida, à religião ou à dignidade.

Após 1835, muitos muçulmanos foram julgados em tribunais especiais, alguns condenados à morte. Muitos foram deportados para a África como forma de reduzir sua influência entre os negros escravizados. Os que escaparam à morte ou deportação foram forçados, para sobreviver, a manterem-se na clandestinidade.

Novo contingente de muçulmanos, estes de origem árabe, começam a chegar ao Brasil no final do século XIX e início do século XX. A abolição da escravidão em 1888 e a dificuldade do negros agora libertos em se adaptarem ao trabalho assalariado, a necessidade de mão de para a agricultura e também de mão de obra especializada em uma atividade industrial nascente, levaram à uma política governamental de incentivo a imigração. Até final da década de 1940 o Brasil recebeu aproximadamente 5 milhões de imigrantes. A maioria eram italianos, portugueses, espanhóis, japoneses, mas também, em menor escala, e sírios, libaneses, palestinos e outros.

Os primeiros árabes de origem síria a imigrarem para o Brasil eram cristãos, buscando novas oportunidades de vida afastando-se do Império Otomano. Devido ao fato de seu passaporte identificá-los como turcos, passaram a ser conhecidos no Brasil por turcos, embora fossem de origem árabe. Esta confusão persiste até hoje, de forma que na linguagem coloquial os povos de origem árabe são designados no Brasil por turcos.

Posteriormente, a partir do início do século XX, começaram a chegar árabes  muçulmanos.

Chegaram ao Brasil com a motivação de fazer fortuna e retornar à terra de origem. Inicialmente dedicaram-se ao pequeno comércio, como vendedores ambulantes, que foram denominados "mascates". Espalharam-se por todo o país vendendo mercadorias como pentes, perfumes, produtos de higiene, quinquilharias e utensílios em geral. Com o sucesso de seu trabalho, em poucos anos já se estabeleceram em pequenos comércios, armazéns e mesmo pequenas indústrias de tecidos. A prosperidade adquirida atraiu novos imigrantes árabes, que encontraram os primeiros já fixados e com grandes negócios, o que facilitou sua integração, não só em termos comerciais mas também no aprendizado do idioma português.

A prosperidade e o progresso das atividades industriais no Brasil, fez com que passassem a dedicar-se ao comércio de maior porte e à indústria, fundando novas empresas e especializando-se em determinados produtos.  O ânimo original de voltar ao país natal arrefeceu a passaram a adquirir propriedades no Brasil.

Novas levas de muçulmanos árabes passaram a chegar ao Brasil nos anos que se seguiram, destacando-se os palestinos, após a criação de Israel no território palestino. E posteriormente outras ondas migratórias se seguiram trazendo novos contingentes de libaneses e palestinos e em número bem menor: sírios, egípcios, marroquinos, sudaneses, nigerianos e outros.

Os imigrantes muçulmanos que chegaram ao país no início do século XX, embora tenham sido recebidos com hospitalidade e plena liberdade pelos brasileiros, encontraram situações adversas para a prática de sua religião. Entre estas condições podem ser citadas: O fato do Brasil ser país de maioria cristã, não havendo mesquitas e centros religiosos para congregá-los. A diferença de costumes no país, não só em termos culturais mas também religiosos. A ausência de centros e escolas islâmicas. A árdua luta diária para sobreviver e alcançar prosperidade em um país estanho.  A dispersão pelos mais variados rincões do imenso país.

Todos estes fatores não só tornaram difícil a prática da religião, como também impediram que aos seus filhos fosse transmitida uma educação dentro dos ideais islâmicos. Também devido a estes fatores e à adaptação cada vez maior das novas gerações ao ambiente brasileiro, o idioma árabe passou a ser cada vez menos utilizado pelos descendentes, dificultando mais ainda a transmissão e recepção da herança cultural e religiosa.

A adaptação na nova terra e a prosperidade levaram a formação de uma nova geração, fixada nos grandes centros urbanos, principalmente no sul e sudeste do país, formando profissionais liberais e técnicos com instrução superior como médicos, engenheiros, advogados, administradores. Desta forma, na busca de sucesso profissional e integração à sociedade brasileira, o aprendizado do idioma português tornou-se mais relevante que o do idioma árabe o que contribui para um maior afastamento social entre os descendentes e as gerações iniciais.

Em um esforço de reação à perda de identidade religiosa e cultural, a comunidade árabe inicia a fundação de centros religiosos, associações beneficentes e a construção de mesquitas e escolas. O polo inicial deste processo foi a cidade de São Paulo, sendo que, posteriormente, o exemplo foi seguido pelas comunidades islâmicas em outras regiões do país.

Atualmente existem mais de oitenta associações islâmicas e mais de cinqüenta mesquitas e salas de oração no Brasil. Não há dados precisos e confiáveis sobre o número de muçulmanos. As estimativas apresentadas pelas entidades muçulmanas variam de um milhão a um milhão e meio de fiéis, neles incluídos os convertidos. O número de convertidos é reduzido, sendo que muitos foram atraídos para a religião motivados pelo sufismo, a mística islâmica.

O esforço de preservar a identidade e a herança religiosa da comunidade árabe trouxe um efeito cultural deletério que foi o de torná-la fechada dificultando o entrosamento com a cultura brasileira e consequentemente dificultando o trabalho de divulgação do Islam.

Hoje, no Brasil, o Islam é uma religião pouco conhecida. As referências existentes à religião são as piores. São as divulgadas pela mídia e associadas a atos extremos e conflitos. Não há, mesmo entre os brasileiros mais instruídos, sequer conhecimentos rudimentares sobre os princípios, sobre a história, e sobre a vasta  contribuição que a civilização islâmica trouxe ao conhecimento humano.

Se no passado o imigrante árabe era denominado de turco, hoje também é associado ao terrorismo e ao fanatismo, o que tende a afastar o interesse das pessoas.

O grande desafio atual da comunidade islâmica no Brasil é o de, sendo minoria, num vasto país cristão, conseguir preservar as tradições religiosas e ao mesmo tempo estar entrosada e aberta o suficiente para que a Mensagem se torne acessível àqueles que têm potencial interesse na religião. Outro desafio é conseguir distinguir o Islam da cultura árabe. O Islam é universal, para toda a humanidade. O Alcorão e a sunna do Profeta (saws) são as referências maiores, de forma que deve haver claro discernimento do que é costume e característica cultural, os quais não devem ser apresentados como inerentes à religião islâmica.


Hajji Sheikh Muhammad Ragip al-Jerrahi


O Uso da Geometria na arte arábe islâmica



A decoração islâmica, que tende a evitar o uso de imagens figurativas, faz uso freqüente de padrões geométricos que se desenvolveram ao longo dos séculos.


Uma entrada em Ben Youssef Madrasa , Marrakech . As portas de madeira são esculpidas com um padrão girih de strapwork com uma estrela de 16 pontos. O arco é cercado com arabesques ; Para ambos os lados é uma faixa de caligrafia islâmica , acima de azulejos geométricos coloridos zellige com estrelas de 8 pontos.



Os desenhos geométricos na arte islâmica são muitas vezes construídos em combinações de quadrados e círculos repetidos, que podem ser sobrepostos e entrelaçados, como pode arabescos (com que eles são muitas vezes combinados), para formar complexos e intrincados padrões, incluindo uma grande variedade de tessellations . Estes podem constituir toda a decoração, pode formar um quadro de florais ou caligráficos enfeites, ou pode recuar para o fundo em torno outros motivos. A complexidade e variedade de padrões usados ​​evoluíram de estrelas simples e pastilhas no século IX, através de uma variedade de padrões de 6 a 13 pontos pelo século XIII e, finalmente, para incluir também estrelas de 14 e 16 pontos no século XVI .

Os padrões geométricos ocorrem em uma variedade de formas de arte islâmica e arquitetura , incluindo kilim tapetes, persa girih e marroquina zellige tilework, muqarnas abóbadas decorativo, Jali perfurado telas de pedra, cerâmica , couro, vitral, marcenaria e serralharia.

O interesse pelos padrões geométricos islâmicos está aumentando no Ocidente, tanto entre artesãos e artistas, incluindo MC Escher no século XX, e entre matemáticos e físicos, incluindo Peter J. Lu e Paul Steinhardt que alegadamente afirmou em 2007 que tilings no Darb-e Imam Santuário em Isfahan poderia gerar padrões quase-periódicos , como pavimentos de Penrose .



Decoração islâmica



Arte islâmica principalmente evita imagens figurativas para evitar tornar-se objetos de culto.

Padrões geométricos islâmicos derivados de desenhos mais simples usados ​​em culturas anteriores : grego , romano e sasânida . São uma das três formas de decoração islâmica, sendo as outras o arabesco baseado em formas de plantas curvadas e ramificadas, e caligrafia islâmica; Todos os três são freqüentemente usados ​​juntos. Os projetos geométricos e os arabesques são formas de padrões entrelaçados islâmicos .



Finalidade



Autores como Keith Critchlow argumentam que os padrões islâmicos são criados para levar o espectador a uma compreensão da realidade subjacente, ao invés de ser mera decoração, como os escritores interessados apenas em padrão, por vezes, implicam. David Wade afirma que "Grande parte da arte do Islã, seja na arquitetura, cerâmica, têxteis ou livros, é a arte de decoração - ou seja, de transformação". Wade argumenta que o objetivo é transfigurar, transformando mesquitas "em leveza e padrão", enquanto "as páginas decoradas de um Alcorão podem tornar-se janelas para o infinito". Contra isso, Doris Behrens-Abouseif afirma em seu livro Beleza na Cultura Árabe que uma "grande diferença" entre o pensamento filosófico da Europa Medieval eo mundo islâmico é exatamente que os conceitos do bem e do belo são Separados na cultura árabe. Ela argumenta que a beleza, seja na poesia ou nas artes visuais, foi desfrutada "por si mesma, sem compromisso com critérios religiosos ou morais".

Telhas dentro da mesquita de Jame de Yazd, Persia, com testes padrões geométricos e vegetais


Um frasco de cerâmica Raqqa (Jordania) da dinastia Ayyubid.Síria, 12º / 13º século




Formação de padrão


 

Muitos projetos islâmicos são construídos em quadrados e círculos, tipicamente repetidos, sobrepostos e entrelaçados para formar padrões intrincados e complexos. Um motivo recorrente é a estrela de 8 pontas, muitas vezes visto em tilework islâmico; É feito de dois quadrados, um girado 45 graus em relação ao outro. A quarta forma básica é o polígono , incluindo pentágonos e octógonos. Todos estes podem ser combinados e reformulados para formar padrões complicados com uma variedade de simetrias incluindo reflexões e rotações. Tais padrões podem ser vistos como tessellations matemáticos, que podem se estender indefinidamente e assim sugerir o infinito .Eles são construídos em grades que exigem apenas régua e bússola para desenhar.O artista e educador Roman Verostko argumenta que tais construções são em efeito algoritmos , tornando os padrões geométricos islâmicos precursores da arte algorítmica modern .

O círculo simboliza a unidade ea diversidade na natureza, e muitos padrões islâmicos são desenhados a partir de um círculo. Por exemplo, a decoração da mesquita do século XV em Yazd , no Irã, é baseada em um círculo, dividido em seis por seis círculos desenhados à sua volta, todos tocando em seu centro e cada um tocando os centros de seus dois vizinhos para formar um Hexágono regular. Nesta base é construída uma estrela de seis pontas cercada por seis hexágonos irregulares menores para formar um padrão de estrela tesselante. Isto forma o projeto básico que é esboçado no branco na parede da mesquita. Esse projeto, entretanto, é coberto com um tracery de interseção no azul em torno das telhas de outras cores, dando forma a um teste padrão elaborado que esconda parcialmente o projeto original e subjacente. Um design semelhante forma o logotipo do Centro de Pesquisa Mohammed Ali.

Um dos primeiros estudiosos ocidentais dos padrões islâmicos, Ernest Hanbury Hankin , definiu um "arabesco geométrico" como um padrão formado "com a ajuda de linhas de construção consistindo de polígonos em contato". Ele observou que muitas combinações diferentes de polígonos podem ser usadas enquanto os espaços residuais entre os polígonos são razoavelmente simétricos. Por exemplo, uma grade de octagons em contato tem quadrados (do mesmo lado que os octagons) como os espaços residuais. Cada octógono é a base para uma estrela de 8 pontos, como visto no túmulo de Akbar, Sikandra (1605-1613). Hankin considerou a "habilidade dos artistas árabes em descobrir combinações adequadas de polígonos ... quase surpreendente". Ele registra ainda que, se uma estrela ocorre em um canto, exatamente um quarto dela deve ser mostrado; Se ao longo de uma borda, exatamente metade dela.

O Topkapı Scroll , feito na dinastía Timurida Irã no final do século 15 ou início do século 16, contém 114 padrões, incluindo desenhos coloridos para girih tilings e quartas muqarnas ou semidomes.


Desenho arquitetônico para abóbada de tijolos, Irã, provavelmente Teerã, 1800-70


Evolução




Primeira fase


As formas geométricas mais antigas da arte islâmica eram ocasionais formas geométricas isoladas, tais como estrelas de 8 pontas e pastilhas contendo quadrados. Estes datam de 836 na Grande Mesquita de Kairouan, Tunísia, e desde então se espalharam por todo o mundo islâmico.


Estágio inicial: padrões geométricos simples em telhas de brilho na grande mesquita de Kairouan , Tunísia . 836 em diante


Fase média



O desenvolvimento seguinte, marcando o estágio intermediário do uso do padrão geométrico islâmico, foi de estrelas de 6 e 8 pontos, que aparecem em 879 na Mesquita Ibn Tulun, Cairo, e depois se espalhou.

Uma variedade mais ampla de padrões foram usados ​​a partir do século XI. As formas abstratas de 6 e 8 pontos aparecem na Torre de Kharaqan em Qazvin , na Pérsia em 1067 e na Mesquita Al-Juyushi, no Egito, em 1085, tornando-se novamente difundida a partir daí, embora os padrões de 6 pontos sejam raros na Turquia.

Em 1086, os padrões de 7 e 10 pontos (com heptágonos, estrelas de 5 e 6 pontas, triângulos e hexágonos irregulares) aparecem na mesquita de sexta-feira em Isfahan. 10 pontos girih tornou-se difundido no mundo islâmico, exceto no espanhol Al-Andalus. Logo depois, usando padrões 9, 11, e 13-pontos girih foram utilizados na Mesquita Barsian , também na Pérsia, em 1098; Estes, como padrões geométricos de 7 pontos, raramente são usados ​​fora da Pérsia e da Ásia Central.

Finalmente, marcando o fim do estágio intermediário, padrões de roseta de 8 e 12 pontos aparecem na Mesquita de Alâeddin, em Konya , Turquia, em 1220, e no palácio abássida em Bagdá em 1230, passando a se espalhar pelo mundo islâmico .


Padrões do estádio do meio em beiras geométricas em torno de um Mihrab na mesquita de Alâeddin, Konya, Turquia . 1220 em diante



Estágio tardio


O início do estágio final é marcado pelo uso de padrões simples de 16 pontos no mausoléu Hasan Sadaqah no Cairo em 1321 e no Alhambra, na Espanha, em 1338-1390. Estes padrões raramente são encontrados fora destas duas regiões. Padrões geométricos combinados de 16 pontos mais elaborados são encontrados no complexo Sultan Hasan no Cairo em 1363, mas raramente em outros lugares. Finalmente, os padrões de 14 pontos aparecem no Jama Masjid em Fatehpur Sikri na Índia em 1571-1596, mas em poucos outros lugares.


Fase tardia: padrões geométricos, vegetais e caligráficos em torno do Mihrab no Jama Masjid, Fatehpur Sikri . 1571-5

Forma de Arte



Várias formas de arte em diferentes partes do mundo islâmico fazem uso de padrões geométricos. Estes incluem cerâmica, girih strapwork, Jali pedra telas perfuradas, tapetes kilim, couro,metalurgia, muqarnas vaulting, shakaba vitral, Woodwork, e telha de zellige.


Cerâmica


Cerâmica se prestam a motivos circulares, seja radial ou tangencial. Tigelas ou placas podem ser decoradas dentro ou fora com listras radiais; Estes podem ser em parte figurativos, representando folhas estilizadas ou pétalas de flores, enquanto bandas circulares podem correr em torno de uma tigela ou jarro. Padrões destes tipos foram empregados na cerâmica islâmica do período Ayyubida , século XIII. As flores radialmente simétricas com, digamos, 6 pétalas se prestam a desenhos geométricos cada vez mais estilizados que combinam simplicidade geométrica com motivos reconhecidamente naturalistas, esmaltes coloridos e uma composição radial que se adapta idealmente à louça circular. Potters muitas vezes escolheu padrões adequados à forma do navio que estavam fazendo. Assim, uma garrafa de água de barro não vidrado a partir de Aleppo na forma de um círculo vertical (com alças e pescoço acima) é decorado com um anel de trança moldado em torno de uma inscrição em árabe, com uma pequena flor 8 pétalas no centro .

 

Revestimento Girih e trabalhos em madeira


Girih são elaborados padrões de entrelaçamento formados de cinco formas padronizadas. O estilo é usado na arquitetura islâmica persa e também em madeira decorativa. Os projetos de Girih são feitos tradicional nos diferentes meios que incluem o tijolos cortados, o stucco (relevo), e o telhado da faiança do mosaico. Em trabalhos de madeira, especialmente no período safávida, ele poderia ser aplicado como quadros de rede, deixados simples ou inserido com painéis como de vidro colorido; Ou como painéis de mosaico usados ​​para decorar paredes e tetos, sagrados ou seculares. Na arquitetura, o girih forma superfícies decorativas de tiras entrelaçadas do 15o século ao 20o século. A maioria dos projetos baseia-se em uma grade geométrica parcialmente escondida que fornece uma matriz regular de pontos; Isto é feito num padrão usando simetrias de rotação de 2, 3, 4 e 6 vezes que podem preencher o plano. O padrão visível sobreposto à grelha é também geométrico, com estrelas de 6, 8, 10 e 12 pontas e uma variedade de polígonos convexos, unidos por tiras que tipicamente parecem tecer umas sobre as outras. O padrão visível não coincide com o mosaico subjacente.

Revestimento no padrão Girih decagonal em um spandrel do santuário Darb-e Imam
 

Jali



Jali são telas perfuradas de pedra com padrões de repetição regular. São características da arquitetura Indo-Islâmica , por exemplo nos edifícios da dinastia Mughal em Fatehpur Sikri e no Taj Mahal . Os desenhos geométricos combinam polígonos como octógonos e pentágonos com outras formas, como estrelas de 5 e 8 pontas. Os padrões enfatizavam as simetrias e sugeriam o infinito pela repetição. Jali funcionava como janelas ou divisórias de quarto, proporcionando privacidade, mas permitindo no ar e luz. Jali forma um elemento proeminente da arquitetura da Índia. O uso de paredes perfuradas diminuiu com os padrões de construção modernos ea necessidade de segurança. As paredes modernas, simplificadas de jali, por exemplo feitas com argila pré-moldada ou blocos de cimento, foram popularizadas pela arquiteta Laurie Baker. As janelas perfuradas no estilo do girih são encontradas às vezes em outra parte no mundo Islamic, como em janelas da mesquita de Ibn Tulun em Cairo.


Mesquita de Ibn Tulun: janela com as estrelas de 10 pontos do estilo girih- (na parte traseira), com os rondelas florais nos hexágonos que dão forma a um friso na parte dianteira

Jali perfurado no túmulo de Salim Chishti , Fatehpur Sikri , India


Tapetes Kilim

Um kilim é um tapete liso islâmico (não felpudo), seja para uso doméstico ou um tapete de oração. O padrão é feito enrolando os fios de trama de volta sobre os fios de urdidura quando um limite de cor é alcançado. Esta técnica deixa uma abertura ou fenda vertical, assim kilims são chamados às vezes: tecidos retorcidos. Kilims são muitas vezes decorados com padrões geométricos com espelho de 2 ou 4 vezes ou simetrias rotacionais. Como a tecelagem usa linhas verticais e horizontais, as curvas são difíceis de gerar, e os padrões são, portanto, formados principalmente com bordas retas. Os padrões de Kilim são frequentemente característicos de regiões específicas. Os motivos de Kilim são frequentemente simbólicos assim como decorativos.

tapete do padrão kilim


Couro

Couro islâmico é muitas vezes em relevo com padrões semelhantes aos já descritos. Coberturas de livros de couro, começando com o Alcorão, onde arte figurativa foi excluída, foram decorados com uma combinação de escrita kufic, medalhões e padrões geométricos, geralmente delimitada por trança geométrica.
Capa de livro de oração de couro, Pérsia, século XVI

Metal

Artefatos de metal compartilham os mesmos desenhos geométricos que são usados ​​em outras formas de arte islâmica. No entanto, na opinião de Hamilton Gibb , a ênfase difere: padrões geométricos tendem a ser usados ​​para as fronteiras, e se eles estão na área decorativa principal que são mais frequentemente utilizados em combinação com outros motivos, como motivos florais, arabescos, motivos animais , Ou script caligráfico. Os projetos geométricos no trabalho de metal islâmico podem formar uma grade decorada com estes outros motivos, ou podem formar o teste padrão do fundo.
Mesmo onde objetos de metal como tigelas e pratos não parecem ter decoração geométrica, ainda os desenhos, como arabescos, são muitas vezes definidos em compartimentos octogonais ou dispostos em bandas concêntricas em torno do objeto. São usados ​​desenhos fechados (que não se repetem) e padrões abertos ou repetitivos. Padrões como estrelas entrelaçadas de seis pontas eram especialmente populares a partir do século XII. Eva Baer observa que, embora este projeto fosse essencialmente simples, foi elaborado por metalúrgicos em intrincados padrões entrelaçados com arabescos, às vezes organizados em torno de outros padrões islâmicos básicos, como o padrão hexagonal de seis círculos sobrepostos

Portão de ferro com estrelas de 10 pontos e pipas em Al-Rifa'i Mesquita , Cairo (1869-1912)

Muqarnas


Muqarnas são elaboradamente esculpida tectos para semi-cúpulas , muitas vezes utilizado em mesquitas. Eles são tipicamente feitos de estuque (e, portanto, não têm uma função estrutural), mas também pode ser de madeira, tijolo e pedra. São características da arquitetura islâmica da Idade Média de Espanha e Marrocos no oeste a Pérsia no leste. Arquitetonicamente eles formam várias camadas de squinches , diminuindo de tamanho à medida que sobem. Eles são muitas vezes elaboradamente decorados. Também chamadas de abóbada favo de mel.

Muqarnas na entrada para a Mesquita de Shah em Isfahan , Irã
 

Vitrais

Geometricamente modelado vitral é usado em uma variedade de configurações na arquitetura islâmica. Pode ser encontrada na residência de Verão do Palácio de Shaki Khans, Azerbaijão , construídos em 1797. Os padrões nas janelas "Shabaka" incluem estrelas de 6, 8 e 12 pontos . Estas janelas decorativas em madeira são características distintivas da arquitetura do palácio. Shabaka ainda são construídos da maneira tradicional em Sheki , no século 21. Tradições de vitral situado em molduras de madeira (não comparar como na Europa) sobrevivem em oficinas no Irão, bem como Azerbaijão. Janelas de vidro fixados em estuque dispostos em padrões girih são encontrados tanto na Turquia e os países árabes; um exemplo tardio, sem o tradicional equilíbrio de elementos de design, foi feito na Tunísia para a Exposição Internacional Colonial em Amsterdã em 1883. A cidade velha de Sana'a em Yemen tem vitrais em seus edifícios altos.

 
 Shabaka, vitrais Geometricos, em 1797 Palácio de Shaki Khans, Azerbaijão




Zellige


Zellige são telhas terracota ajustadas em gesso, formando padrões de mosaico colorido, incluindo regulares e semi-regulares revestimentos. A tradição é característica de Marrocos , mas também é encontrada na Espanha moura. Zellige é usado para decorar mesquitas, edifícios públicos e casas particulares ricas.

 
Zellige na Praça El-Hedine, Meknes, Marrocos



Fonte:

Wikepedia