D E S T A Q U E

CULINÁRIA ÁRABE: UMA VISAO GERAL SOBRE OS PRATOS PRINCIPAIS DE CADA PAÍS

A culinária árabe (em árabe: مطبخ عربي ) é a culinária dos árabes, definida como as várias cozinhas regionais que abrangem o mundo árabe, do...

Mostrando postagens com marcador DUBAI. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador DUBAI. Mostrar todas as postagens

MESQUITA JUMEIRAH EM DUBAI - HISTÓRIA E COMO VISITAR



Você encontrará mesquitas em algumas centenas de metros em Dubai. Mas entre essas inúmeras mesquitas, a mesquita de Jumeirah se destaca por várias razões.

Está entre as poucas mesquitas abertas para não-muçulmanos visitarem. É também a mesquita mais bonita do emirado. Para entender o significado dessa mesquita na cultura dos Emirados Árabes Unidos, basta olhar para o fato de que ela está na nota de 500 Dhs.



Mesquita Jumeirah em construção 1977



História da Mesquita de Jumeirah


A mesquita de Jumeirah foi construída em 1979, quando Dubai começou a se espalhar em direção às regiões inferiores do deserto. Mas Jumeirah não era um lugar totalmente deserto, em primeiro lugar. Era habitada principalmente por pescadores árabes e caçadores de pérolas. Algumas de suas casas antigas ainda estão por aqui até hoje. Nenhuma delas é habitada, no entanto. Mas essas casas nos lembram o passado recente de Dubai, que consistia principalmente em aldeias de pesca.

À medida que Dubai crescia com sua nova riqueza, a única direção prática para a cidade se expandir era para o sul, pois a parte antiga da cidade já estava saturada de prédios residenciais.

Ao contrário da antiga Dubai, as pessoas que chegaram e se estabeleceram em Jumeirah foram os ex-patriados ocidentais. Eles vieram para cá como parte dos projetos de rápida expansão em Dubai, realizados por empresas multinacionais. Por outro lado, os primeiros colonos da Velha Dubai eram da Índia, Paquistão e Bangladesh, que eram pequenos comerciantes e trabalhadores.

Também fazia sentido construir um resort de luxo perto do mar para acomodar aqueles que estavam no emirado para a exploração de petróleo offshore. A construção de um hotel desses era o maior empreendimento  em Dubai até aquele momento.

Jumeirah, há muito tempo, era conhecida pelo nome Chicago Beach após o Chicago Beach Hotel, que havia nas proximidades. O hotel e a mesquita eram as únicas estruturas modernas na praia naquela época. O hotel antecedeu a mesquita em dois anos.

Havia uma razão para construir um hotel tão longe da cidade central de Dubai naqueles tempos. Após a descoberta do primeiro poço de petróleo offshore em Dubai, a empresa Chicago Bridge and Iron assinou o contrato para realizar o trabalho da plataforma de petróleo e de todas as outras instalações necessárias. O hotel na praia de Chicago, em homenagem à empresa contratante, foi construído em um local próximo ao local do petróleo.

Após a instalação da planta de extração de petróleo e dos tanques de armazenamento subaquático, foi necessária outra área residencial para acomodar a força de trabalho expatriada na indústria de petróleo. Este bairro residencial foi chamado de Chicago Beach Village e não ficava longe do hotel balnear original. A mesquita de Jumeirah também foi construída ao mesmo tempo.


A arquitetura da mesquita de Jumeirah


Outra coisa que diferencia a mesquita de Jumeirah de outras mesquitas de Dubai é sua arquitetura distinta. A mesquita é construída seguindo um estilo fatímida, que tem suas origens no Egito do século IX. Os dois minaretes também são uma contribuição do mesmo estilo.



A mesquita de Jumeirah é considerada a mesquita mais fotografada em Dubai. Uma das razões para esse título são os milhares de turistas que visitam a mesquita todos os meses. Outra razão é obviamente a beleza imaculada da mesquita de mármore. A cúpula visivelmente grande da mesquita tem detalhes intrincados.

Como o exterior, o interior da mesquita exibe um artesanato elegante. Vale a pena mencionar o uso de pedras de mármore multicoloridas e os versos corânicos gravados com pedras modeladas (em vez de pintar como normalmente são feitas).

Embora os candelabros nesta mesquita não surpreendam ninguém, pois há mesquitas novas e maiores no próprio Dubai com candelabros mais magníficos, aqueles na mesquita de Jumeirah teriam rebitado muitos olhos para cima na cúpula quando ela foi construída.


Minhas fotos de 2012 (um lugar onde senti muita paz nesse dia)




Excursão à mesquita de Jumeirah


Um passeio pela mesquita é sua chance de conhecer de perto a cultura, a história e o patrimônio de Dubai. O benefício de ter uma visita guiada é que você conhece tudo em primeira mão de um especialista. A excursão à mesquita é realizada sob o patrocínio do Centro Sheikh Muhammad de Entendimento Cultural, uma iniciativa do governante de Dubai, para ajudar na comunicação e compreensão entre as culturas.

É uma oportunidade perfeita para perguntar aos emirados por que eles se vestem da maneira que se vestem, ou por que cumprimentam de uma maneira particular etc. sem ofender ninguém. Você também conhecerá mais sobre o Islã, que faz parte da vida das pessoas nativas há séculos.

O passeio também vem com uma experiência gastronômica cultural. O passeio pela mesquita oferece a todos os seus hóspedes um café da manhã cultural. Uma rara oportunidade de saborear pratos autênticos emirati repletos de prataria clássica e café árabe.

Código de vestuário ao visitar a mesquita


Os visitantes devem usar roupas modestas dentro das instalações da mesquita. As mulheres devem cobrir todo o corpo, exceto os forehands e o rosto, enquanto os homens não devem usar calças mais curtas que o joelho e devem cobrir a parte superior do corpo.

Visitas guiadas à mesquita


As visitas guiadas tornam a visita à mesquita de Jumeirah mais do que apenas uma experiência turística. Eles permitem que você aprenda mais sobre o aspecto religioso da mesquita e sobre a história e o impacto do Islã nos emirados.

Você também terá uma compreensão em primeira mão da religião e dos rituais de oração que são realizados cinco vezes por dia na mesquita.

As visitas guiadas são operadas pela SMCUU com o slogan "Portas abertas, mentes abertas". A organização foi fundada pelo governante do xeque Muhammad bin Rashid Al Maktoum, de Dubai, para aumentar a compreensão e a tolerância entre culturas e tradições.

Aqueles que desejam participar do passeio devem se registrar pelo menos 30 minutos antes do passeio.

Horários dos tours nas mesquitas: há visitas guiadas todos os dias a partir das 10h, exceto às sextas-feiras.

O passeio começa na área de majlis, onde o anfitrião dá uma introdução básica de tudo. Aqui você pode desfrutar de bebidas tradicionais dos Emirados, como café e chá árabe. Depois, você verá as diferentes áreas da mesquita onde a purificação e as orações são feitas.

Na parte final do passeio, os convidados podem fazer ao anfitrião perguntas relacionadas à religião e cultura local sem ofender ninguém e também obterão respostas adequadas e claras.


Em breve mais mesquitas abertas a visitação.

Cris Freitas nos Emirados Arabes Unidos

Força-tarefa dos Emirados Árabes Unidos formada para melhorar as aulas de árabe na escola

Ministro da Educação, Hussain Al Hammadi. DELORES JOHNSON / The National



Retirado do jornal The National de 31/07/2019.

Ministros estão olhando como a língua é ensinada em um momento de declínio da fluência e a ascensão de 'Arabizi' 

O governo pediu ao público que dê feedback sobre como reforçar o ensino do árabe nos Emirados.
Hussain Al Hammadi, o ministro da Educação, disse que os alunos e os pais devem opinar sobre como o ensino poderia ser mais dinâmico.
No ano passado, um novo estudo foi lançado para avaliar a língua árabe e avaliar a eficácia com que ela estava sendo ensinada.
"Este objetivo não se limita a uma escola específica, envolve todas as escolas públicas e privadas", disse Al Hammadi.
"Estamos ansiosos para a contribuição da comunidade neste desenvolvimento, e gostaríamos de saber a opinião do público sobre os níveis de educação em todas as escolas, sem exceções". 

O ensino de árabe nas escolas dos Emirados Árabes Unidos foi criticado no passado por não engajar apropriadamente os alunos.
Muito poucos expatriados que crescem nos Emirados concluem a escola falando mais do que algumas palavras, e os falantes nativos de árabe costumam usar 'Arabizi' - conversas em árabe escritas no alfabeto latino.
Especialistas em educação afirmaram que os métodos de ensino antiquados tornaram a linguagem chata, o que significa que menos crianças gostavam de abordar o assunto.
Os professores também disseram que não têm os recursos adequados na sala de aula para ampliar o apelo do sujeito. Algumas escolas também se esforçaram para encontrar pessoal capaz de injetar novo interesse na língua.
Em janeiro, no entanto, escolas privadas nos Emirados anunciaram que estariam lançando um novo programa de ensino digital em árabe para ajudar a resolver o problema.
O esquema, que será lançado em setembro, usará aplicativos móveis como parte dos esforços para ressuscitar o interesse em aprender o idioma.
Na quarta-feira, Noura Al Kaabi, Ministra da Cultura e Desenvolvimento do Conhecimento, disse que o governo está fazendo progresso.
"Os Emirados Árabes Unidos vão trabalhar duro para promover o status da língua árabe entre outras línguas vivas do mundo", disse ela.
“O relatório marca um importante começo para o planejamento lingüístico da língua materna nos EAU e no mundo árabe em geral, e contribui para a Visão 2021 dos EAU e posiciona o país como um centro de excelência para a língua árabe.”
Os alunos e seus pais concordaram que uma compreensão firme do idioma árabe, como seria de se esperar, era essencial.
Muitos afirmaram que aprender o assunto era difícil, ressaltando que o currículo poderia ser melhorado para facilitar o trabalho dos alunos. 


"A língua árabe é uma das línguas mais detalhadas do mundo", disse Ahmed Bader, 55 anos, pai árabe que vive nos Emirados Árabes Unidos há 20 anos.
“É preciso muito esforço e muito tempo para entender completamente. É muito difícil aprender.
“Sim, as escolas podem mudar o currículo em árabe para facilitar a abordagem dos alunos. Por exemplo, ensine as regras do árabe e como falar através de histórias ”.
"É muito importante aprender árabe nos Emirados Árabes Unidos", disse Eman Mahmoud, 21, estudante dos Emirados.
“Conheço o árabe desde criança porque é minha língua nativa. [Aprender] é uma forma de respeito pela cultura que você está vivendo.
“Achei muito difícil na escola porque foi ensinado de maneira muito diferente do que aprendi em casa.
“Havia mais gramática envolvida e era muito mais difícil de entender oralmente. O ensino da língua árabe [nos EAU] pode ser melhorado.
“As escolas se concentram muito mais na gramática do que na literatura. Há muito mais literatura árabe que poderíamos ter aprendido ”. 





A MESQUITA AZUL EM DUBAI e ALGUNS TERMOS EM ARABE






A Mesquita Al Farooq Omar Bin Al Khattab é outra mesquita que definitivamente deveria estar em seu itinerário de viagem em Dubai. É também chamada de Mesquita Azul, pois o seu exterior representa a famosa Mesquita Azul em Istambul.

Originalmente construída em 1986, foi renovada em 2003 e novamente em 2011. A arquitetura desta mesquita é uma combinação de estilos andaluz e otomano. Alguns dos destaques desta mesquita são os seus quatro minaretes, 21 cúpulas, 124 vitrais, tapete vermelho e ouro da Alemanha, telhas marroquinas coloridas, fonte de estilo tradicional, etc.

Com uma área total de 93.400 metros quadrados, esta mesquita pode receber cerca de 2.000 pessoas durante o tempo de oração. Além disso, tem uma sala de aula onde o Alcorão é ensinado e também uma enorme biblioteca que contém mais de 4000 escrituras islâmicas e outros livros religiosos.

MOSQUE OU MASJID


Mesquita, masjid em árabe, é o lugar de encontro muçulmano para a oração. Masjid simplesmente significa "lugar de prostração". Embora a maioria das cinco orações diárias prescritas no Islã possa ocorrer em qualquer lugar, todos os homens devem se reunir na mesquita para a oração do meio-dia de sexta-feira.

MIHRAB e MINBAR  (NICHO)

 É esse pequeno vão no centro da foto que indica a Qibla, a direção para onde devemos nos posicionar nas orações, indicando a direção de Meka, na Arábia Saudita, onde fica a mesquita sagrada.
Aqui nessa mesquita dos dois lados do Mihrab existe os pulpitos chamdos de Minbar.
Um minbar é um púlpito na mesquita onde o imam (líder da oração - imam em árabe) é capaz de fazer os sermões (خطبة, khutbah). A palavra é um derivado da raiz árabe n-b-r ("raise, elevate"); O plural árabe é manābir (Árabe: منابر).

no centro o mihrab e de cada lado um minbar


SAHN (PATIO)

 A necessidade mais fundamental da arquitetura da mesquita congregacional é que seja capaz de manter toda a população masculina de uma cidade ou bairro (as mulheres são bem-vindas para frequentar preces de sexta-feira, mas não são obrigadas a fazê-lo). Para esse fim, as mesquitas congregacionais devem ter uma grande sala de oração. Em muitas mesquitas, esta é adjacente a um pátio aberto, chamado sahn. Dentro do pátio, muitas vezes encontra uma fonte, suas águas são um respaldo bem-vindo em terras quentes e importantes para as abluções (limpeza ritual) feitas antes da oração.

fonte do patio
 


MINARETES

A principal função atualmente é fornecer um ponto a partir do qual é feito o chamado para a oração, ou adhan.
Aqui nessa mesquita existem 4, são essas torres pontiagudas e altas.
Não é padrão usar 4 torres, algumas mesquitas possuem 4, outras 2 e outras ainda 1 minarete apenas.
São equipadas com autofalantes para ser produzida a chamada da oração 5 vezes ao dia.

 


QUBBA (CÚPULA)


A maioria das mesquitas também possuem uma ou mais cúpulas, chamadas qubba em árabe. Embora não seja uma exigência ritual como o mihrab, uma cúpula possue significado dentro de mesquita, como uma representação simbólica da abóbada do céu. A decoração de interiores de uma cúpula enfatiza frequentemente esse simbolismo, usando motivos geométricos, estelares ou vegetais intrincados para criar padrões de tirar o fôlego para admirar e inspirar. Alguns tipos de mesquitas incorporam múltiplas cúpulas em sua arquitetura, enquanto outras apresentam apenas uma. Em mesquitas com apenas uma única cúpula, é invariavelmente encontrado sobrepondo a parede da qibla, a seção mais sagrada da mesquita. 


DETALHES DA CÚPULA

Essas são algumas curiosidades sobre como se faz uma mesquita.

Agora fique com mais fotos da Mesquita Azul em Dubai (Blue Mosque)



um dos testo da entrada

teto do interior

Alcorão e livros para estudo


vitrais


estudante








MESQUITA AZUL DE ISTAMBUL NA TURKIA






Bem pessoal, espero que tenham gostado do que viram!

maa salama!

Cris Freitas 
nos Emirados Arabes


Dubai Creek -- onde tudo nasceu, um pouco de história


Muitas pessoas tem interesse em saber mais sobre Dubai, muitos querem tentar uma vida profissional aqui e com isso vem muitas dúvidas.

Um pouco da história de Dubai



Cerca de 800 membros da tribo Bani Yas, liderada pela família Maktoum, se alojaran na foz da enseada creek) em 1833. A enseada era um porto natural e Dubai logo se tornou um centro para o comércio de pesca, pérolas e mar. Na virada do século 20 Dubai foi um porto bem sucedido. O souk (mercado em árabe) no lado de Deira ao lado da enseada (creek) era o maior na costa com 350 lojas e uma multidão constante de visitantes e de homens de negócios. Na década de 1930, a população de Dubai era de quase 20 mil, dos quais um quarto eram expatriados.
Na década de 1950 a enseada começou a limo, um resultado talvez do número crescente de navios que usavam. O falecido Governador de Dubai, Sua Alteza Sheikh Rashid bin Saeed Al Maktoum, decidiu que a via navegável fosse dragada. Era um projeto ambicioso, caro e visionário. O movimento resultou em maiores volumes de movimentação de carga em Dubai. Em última análise, reforçou a posição de Dubai como um importante centro de comércio e reexportação.
 
Quando o petróleo foi descoberto em 1966, Sheikh Rashid utilizou as receitas petrolíferas para estimular o desenvolvimento de infra-estruturas em Dubai. Escolas, hospitais, estradas, uma moderna rede de telecomunicações ... o ritmo de desenvolvimento era frenético. Um novo porto e terminal foram construídos no Aeroporto Internacional de Dubai. Foi implementada uma extensão de pista que poderia acomodar qualquer tipo de aeronave. O maior porto artificial do mundo foi construído em Jebel Ali, e uma zona livre foi criada em torno do porto.
 
barco cargueiro
A fórmula de Dubai para o desenvolvimento estava se tornando evidente para todos - liderança visionária, infra-estrutura de alta qualidade, ambiente de expatriados amigáveis, imposto zero sobre o rendimento pessoal e empresarial e baixos custos de importação. O resultado foi que Dubai rapidamente se tornou um centro de negócios e turismo para uma região que se estende do Egito para o subcontinente indiano e da África do Sul para o que agora são chamados de países da CEI.

 
Desde a década de 1960, Sheikh Zayed bin Sultão Al Nahyan, então governante de Abu Dhabi, e Sheikh Rashid bin Saeed Al Maktoum sonhavam em criar uma federação dos Emirados na região. Seus sonhos foram realizados em 1971, quando Dubai, Abu Dhabi, Sharjah, Ajman, Umm Al Quwain, Fujairah e (em 1972) Ras Al Khaimah, se juntaram para criar os Emirados Árabes Unidos.
  Sob o falecido Sheikh Zayed, o primeiro presidente dos Emirados Árabes Unidos, os Emirados Árabes Unidos se tornou um dos países mais ricos do mundo, com um PIB per capita superior a US $ 17.000 por ano. Na década de 1980 e início de 1990, Dubai tomou uma decisão estratégica para emergir como um importante destino turístico de qualidade internacional. Os investimentos na infra-estrutura turística pagaram generosamente ao longo dos anos.
  Dubai é agora uma cidade que possui hotéis incomparáveis, arquitetura notável e entretenimento de classe mundial e eventos esportivos. O belo Burj Al Arab hotel presidindo sobre a costa da praia de Jumeira é o único hotel do mundo com uma classificação de sete estrelas. Os Emirates Towers são uma das muitas estruturas que nos recordam a confiança comercial em uma cidade que se expande a um ritmo notável. Com 350 metros de altura, a torre de escritórios é o edifício mais alto do Oriente Médio e da Europa.
  Dubai também abriga grandes eventos esportivos internacionais. O clássico do deserto de Dubai é uma parada principal na excursão profissional da associação do Golf. O Dubai Open, um torneio de tênis ATP ea Copa do Mundo de Dubai, a corrida de cavalos mais rica do mundo, atraem milhares a cada ano.


Esse é um post mais sobre onde Dubai nasceu e como nasceu, não vou me referir de como é a vida aqui como morar, trabalhar, etc... isso será abordado em novo post.





Casa do sheikh Saed al Maktoum da dinastia Maktoun.



 




torre de vento - usada para refrescar o interior da casa com o vento canalizado por ela

porta entalhada uma caracteristica árabe

f





Os arredores da orla de Dubai Creek


Sem dúvida um lugar mágico, que nos leva do moderno ao antigo, onde podemos ver as pessoas andando num ritmo frenético, trabalhadores de todos os lados, indianos, pakistaneses são os maiores números por aqui. Eles comercializam de tudo.

Esses barquinhos são usados para transportar turistas e trabalhadores de um lado para o outro.







Uma parada para um lanchinho, uma deliciosa shawerma, um tipo de sanduiche de pão árabe com recheio de frango ou carne, salada e molho de tahina. Delicia!






Aqui os restaurantes são no estilo árabe, tudo aqui nos leva a sentir o mundo árabe. Á noite barcos com muitas luzes ficam navegando aqui como uma atraçao turística e os árabes se reunem para uma "shisha" ou  narguile, o cigarro arabe.









Arte


Aqui uma casa de artes onde há amostra da caligrafia árabe, estava fechada no momento e não conseguimos entrar, voltarei com certeza para poder registrar tuuuudo rsrs.





Uma visão do canal 



O Aqua-bus, o onibus aquático



Ruas estreitas

As ruas estreitas, bem marcantes do estilo árabe, usadas para canalizar o vento fresco que vem do mar e refrescar as casas. Sábia idéia.




 Os arabescos na ornamentação das faixadas.






Para fechar, como sempre, os amigos inesperados...





Para os próximos posts tentarei falar mais da vida normal em Dubai, como é viver aqui.
Se alguém já quiser deixar alguma dúvida por favor entre em contato.

salam!

Cris Freitas
Emirados Árabes


ARQUITETURA TRADICIONAL ARABE - DUBAI

 


Arquitetura de Dubai

 

Texto retirado do original em inglês do governante de Dubai Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum. 

 



Forte Al Fahidi
Dubai era um ponto de passagem para caravanas na rota do comércio do Iraque para Omã, e para rotas entre a Índia, África Oriental e do Golfo do Norte. Isto levou ao estabelecimento da cidade como um centro internacional de comércio, onde muitas culturas e tradições se misturaram. A Arquitetura tradicional de Dubai reflete essa mistura de nacionalidades e culturas. Apesar de claramente árabe em estilo, também é influenciado pelas ideias asiáticos e europeias.

Um relatório da M. Houghton da Marinha Real em 1822, descreveu Dubai como um conjunto de cabanas de barro "cercado por um muro de barro baixo com várias aberturas, e defendida por três torres redondas, e um edifício quadrado acastelado, com uma torre em ângulo ... e com apenas 3 ou 4 armas... A torre ocidental, que fica em um pequeno penhasco sobre o riacho, tem também 3 ou 4 armas, e está em reparação moderado ". 1


Museu de Dubai
A construção mais antiga de Dubai, o forte Al Fahidi , foi construído em 1799, e é provavelmente o "edifício quadrado acastelado" de que Houghton escreveu. Foi usado como a residência do governante, bem como um abrigo para pessoas em caso de ataque. Ele agora abriga o Museu de Dubai.
O estilo vernacular tradicional da arquitetura em Dubai é o resultado de uma mistura de três fatores dominantes: o clima (quente e úmido), a religião e os costumes do seu povo, e os materiais de construção disponíveis localmente.



EXEMPLOS de arquitectura tradicional de Dubai
Para reduzir o calor, tanto quanto possível, as casas foram construídas próximas umas das outras, com vielas estreitas (Sikka s) que ficavam entre elas de Norte a Sul, terminando no riacho. Para a maior parte do dia, esses becos estavam à sombra de altos muros das casas que permitiam que o vento fresco do Norte circulasse livremente.

A necessidade de algum tipo de sistema de refrigeração foi uma característica central das casas em si. As casas eram normalmente abertas para um pátio interior que poderia gerar alguma circulação do vento em torno dos quartos.

O efeito da religião e costume na arquitetura vernacular de Dubai é outra razão pela qual os cômodos da casa, geralmente abertos para o pátio, deixando as paredes exteriores com muito poucas, se houver, aberturas, com exceção de alguns furos de ventilação no alto da parede, como no ensinamento islâmico para promover privacidade e modéstia. Muitas vezes, uma parede seria colocada imediatamente atrás do portão de entrada, o que significa que os visitantes teriam de fazer uma curva acentuada, antes de continuar para o terreno e garantir que pessoas de fora do portão não pudessem ver, garantindo assim a privacidade dos habitantes.

Os portões eram, muitas vezes esculpidos, por serem as portas de muitas casas. Este elemento decorativo foi uma influência indiana.

Materiais de construção locais eram simples, mas bem adaptada às exigências do clima severo e estilo de vida. Há vários tipos de casas. Os beduínos nômades não tinham o uso de habitação permanente. As barracas tradicionais que viviam durante o inverno eram feitas de pelos e pele. Durante o verão, eles viviam em pequenos abrigos chamados Al Arish, feito de folhas de palmeira.

Em 1894, Deira foi devastada por um incêndio, o que levou a uma nova fase de desenvolvimento. As pessoas mais ricas começaram a construir as suas habitações de pedra coral e gesso, enquanto os habitantes de baixa renda ainda viviam em cabanas (barasti s) construídas a partir de folhas de palmeiras.
torre de vento

As torres de vento (barajil s) foram o elemento mais distintivo arquitetônico das casas no início do século XX. Eles foram usados ​​pelos árabes por muitos anos. As Torres de Vento tem quatro lados abertos, cada um dos quais é escavado numa côncava em forma de V, a qual desvia o vento para baixo, arrefecendo os quartos abaixo.
A água jogado no chão abaixo da torre esfria a casa quando a água evapora. Quando o ar frio não é necessário, as aberturas podem ser fechadas.

A casa Sheikh Saeed Al Maktoum, construída em 1896, é um exemplo típico da arquitetura da época. Era a residência do ex-governante de Dubai, Sheikh Saeed Al Maktoum , até sua morte em 1958.

Os comodos foram dispostas ao redor do pátio. Portas de duas folhas, telas de treliça e balaustradas de madeira foram usados ​​e a casa ostentava quatro torres de vento. Agora foi cuidadosamente restaurada e abriga um museu de fotografia. Outro bom exemplo de arquitetura vernacular de Dubai, que foi recentemente restaurado é o Majlis Al Ghuraifa, originalmente construído em 1955, que serviu como um retiro de verão de Sheikh Rashid bin Saeed Al Maktoum .

No início do século XX como o comércio floresceu, muitas mesquitas foram construídas em áreas residenciais e comerciais para que as pessoas fossem  capazes de realizar suas orações diárias facilmente. Os muçulmanos se reuniram para as orações sexta-feira na grande mesquita do lado do Dubai Creek. Com seu minarete e 52 cúpulas, era o edifício mais elegante da cidade. 

Com a descoberta de petróleo, Dubai testemunhou uma explosão populacional sem precedentes. Durante os anos 1970, a ênfase foi em acomodar mais pessoas em menos espaço, e o horizonte de Dubai começou a subir, como o conceito ocidental de edifícios de apartamentos começaram a aparecer ao lado das casas tradicionais.

Grande parte da infraestrutura de Dubai foi estabelecido nesta década (estradas, habitação, drenagem, prédios de escritórios, etc.) O edifício mais famoso construído neste tempo foi o 39 andares Dubai World Trade Centre.

A década de 1980 viu mais projetos arquitetônicos sendo desenvolvidos em relação com a cultura local, como muitos arquitetos locais formaram-se neste momento. Um pátio coberto e piscinas de água foram adicionados ao edifício Municipalidade de Dubai, e arcos tradicionais enfeitaram o Al Wasl Hospital.

A década de 1990 viu a arquitetura madura de Dubai, com importância ainda maior, dada a cultura e património. Projetos de renovação foram iniciados em toda a cidade, enquanto jardins públicos foram criados em muitas áreas.

O Sheikh Zayed Road SKYLINE

Os novos materiais e tecnologias já disponíveis estão permitindo designs mais aventureiros. Dubai agora tem alguns edifícios verdadeiramente espectaculares, como o Bur Juman Shopping Center, prédios de escritório, como  o Emirates Towers e hotéis como o Burj Al Arab e Jumeirah Beach, que combinam o estado da arte do desenho arquitetônico e a técnica com um sabor tradicional árabe.



Fontes:
Records of Dubai 1761-1960, Archive Editions, 2000, Vol.1, pg. 3.
www.dubaitourism.co.ae
www.uaeinteract.com
Dubai – Gateway to the Gulf, edited by Ian Fairservice, Motivate Publishing, 1986
Architectural Heritage of the Gulf, Shirley Kay and Dariush Zandi, Motivate Publishing, 1991
Land of the Emirates, Shirley Kay, Motivate Publishing, 1999
The UAE and Oman, 2 Pearls of Arabia, Walter M. Weiss and Kurt-Michael Westermann, Motivate Publishing, 1996


Tradução Criss Freitas