D E S T A Q U E

CULINÁRIA ÁRABE: UMA VISAO GERAL SOBRE OS PRATOS PRINCIPAIS DE CADA PAÍS

A culinária árabe (em árabe: مطبخ عربي ) é a culinária dos árabes, definida como as várias cozinhas regionais que abrangem o mundo árabe, do...

RUMI, POETA PERSA: CURTA BRIOGRAFIA


Photo Credit: Open Culture



Poeta, místico e mawlana (mestre): Rumi é um nome que a maioria dos estudiosos pós-modernos associa ao lirismo e à filosofia persas. Para o mundo ocidental, ele é o rosto e o pai da literatura do Oriente Médio; um homem tão versado em linguagem e ritmo que os épicos diádicos se inclinavam para ele.

Para muitos, Rumi é um sufi primeiramente: sempre nas graças da divindade e adoração, circulando seus escritos de volta às avenidas de pensamento mais específicas do Islam. O sufismo, a principal ideologia de Rumi como teólogo, é um ramo dedicado à “expressão mística da fé islâmica”, carregada de valores de ascetismo, oração e uma profunda apreciação pela criação em todas as suas formas.

Para a maioria, no entanto, Jalal al-Din Rumi é um enigma: ele é um poeta estranho que – pela graça da fortuna e habilidade – conseguiu reestruturar o pensamento místico e a literatura em todo o mundo muçulmano.


VIDA PREGRESSA

Nascido em 1207 dC no Afeganistão, filho do teólogo místico, autor e professor Baha al-Din Walad, a juventude de Jalal al-Din foi fortalecida com linguagem e religião. A estabilidade, porém, era um privilégio passageiro; seja devido a uma disputa com o governante afegão ou ao início dos ataques mongóis, a família foi obrigada a fugir de sua cidade nativa Balkh em 1218 dC.

Longa e árdua foi a jornada pelo Oriente Médio e, ao longo do caminho, Jalal al-Din foi sujeito à luta e à salvação. Diz a lenda que, em Nishapur, Irã, a família conheceu Farid al-Din Attar, “um poeta místico persa que abençoou o jovem Jalal al-Din”.


Estátua de Rumi na Turquia. Crédito da foto: Creative Commons Wikimedia


Logo após completar a peregrinação a Meca ao lado de seu pai, a família mudou-se para o oeste, viajando em direção à Anatólia (ou seja, ‘Rum’, de onde deriva o sobrenome Rumi). A Anatólia, que é mais comumente chamada de Turquia moderna, era uma promessa de paz e prosperidade e serviu para oferecer a Jalal al-Din exatamente isso por alguns anos.

Após a morte de seu pai em 1213 dC, Jalal al-Din assumiu seu cargo de professor em escolas religiosas locais, onde se familiarizaria com Burhan al-Din Muhaqqiq. Logo depois, Buhran al-Din se tornou uma figura chave em seu desenvolvimento e formação espiritual, apresentando Jalal al-Din a várias teorias místicas que ele havia desenvolvido no Irã.


SHAMS AL-DIN DE TABRIZ


Rumi e Shams juntos em um detalhe do  "Redemoinho Dervixe" por Shahriar Shahriari


Como todos os grandes mestres da linguagem, Rumi tinha uma musa: uma alma livre que encarnava o mais sagrado dos cultos. Shams al-Din de Tabriz, também conhecido como Shams al-Tabrizi, era um homem sem decoração; um dervixe que vagava pelas ruas de Konya carregando consigo o misticismo que Rumi perseguia tão ardentemente.

A reunião divisiva ocorreu em novembro de 1244 EC em uma rua síria, e entre suas personalidades espirituais esmagadoras, Shams e Rumi tornaram-se amplamente inseparáveis. Tão inseparáveis, de fato, que sua proximidade heterodoxa tornou-se motivo de preocupação; em sua paixão cega por Shams, Rumi havia negligenciado sua família e seus discípulos.

Até que uma noite, apenas três anos após o encontro, Shams al-Din de Tabriz desapareceu sem deixar vestígios ou uma palavra de seu paradeiro. Despedaçado, Rumi voltou-se para a poesia; um bálsamo calmante para os corações partidos. Foi apenas no século 20 que os estudiosos confirmam que Shams al-Din foi assassinado por ordem dos próprios filhos de Rumi.

Foi o amor e a fraternidade entre Rumi e Shams, no entanto, que foi o berço de sua poesia – seu ghazal: experiências de amor, saudade e perda. Seu filho observou que “[Rumi] encontrou Shams em si mesmo, radiante como a lua”.

É esse amor quase achiliano que trouxe Rumi ao seu ápice literário. Em uma coleção chamada A Poesia de Shams, Rumi delineou a ligação muito íntima entre religião, amor e Shams al-Din de Tabriz.


MAGNUM OPUS E LEGADO

A magnum opus de Rumi, ou mais apropriadamente sua obra mais famosa, foi seu épico didático Mas̄navī-yi Ma’nav (“Dísticos Espirituais”), “que influenciou amplamente o pensamento místico e a literatura em todo o mundo muçulmano”. 

Por meio do uso do persa e do árabe, além do esparso turco e do grego, o legado de Rumi se entrelaça com o do Irã e da Turquia. Sua influência, no entanto, permanece substancial em todo o Oriente Médio como um todo, chegando até o subcontinente indiano. No final do século 20, Rumi cimentou sua fama mundial, em um fenômeno global póstumo “com sua poesia alcançando ampla circulação na Europa Ocidental e nos Estados Unidos”.

Crédito: Wanda Books


Ao longo dos séculos, formou-se uma separação entre seu legado como poeta e seu estudo de longa data como teólogo. É importante lembrar que nas entrelinhas da literatura e Shams al-Din, permanece uma figura religiosa profundamente influente – que, até hoje, é um pilar do sufismo e do misticismo muçulmano.


Por Criss Freitas para Universo Árabe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!
Todo comentário é lido antes de ser publicado.